Portal de Eventos, Conferencia Internacional BIREDIAL-ISTEC 2015

Tamaño de la fuente: 
Dez anos da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade Federal Fluminense: Histórico, Avanços e Perspectivas
Jussara Moore Jussara, Josimara Dias Josimara, Geisa Meirelles Geisa

Última modificación: 17/11/2015

Resumen


RESUMO: Analisa a contribuição da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da Universidade Federal Fluminense (BDTD-UFF) para o Open Access Initiative – OAI na informação científica produzida na universidade, abordando seu crescimento/desenvolvimento desde sua implantação até os dias atuais. A metodologia utilizada inclui revisão de literatura dos estudos e pesquisas sobre a importância da BDTD para o Movimento de Acesso Livre no Brasil, levantamento quantitativo das dissertações e teses defendidas na UFF no período de dez anos (2003-2013) e os trabalhos defendidos no mesmo período, que foram inseridos na BDTD-UFF. Conclui que nos últimos 10 anos, o número de teses e dissertações on-line na BDTD–UFF não reflete a totalidade da produção discente da universidade. O maior desafio é a implementação de uma Política Mandatória institucional para o aumento da adesão dos Programas de Pós-Graduação Stricto Sensu na BDTD-UFF, permitindo a democratização do conhecimento produzido e fomentando o apoio ao OAI.

INTRODUÇÃO: O Open Access - OA, tem envolvido mundialmente diversos pesquisadores na contribuição do seu fortalecimento, visando à criação de políticas e acordos que concretizem e ampliem os benefícios desse movimento, dentro os quais podemos citar: maior visibilidade das pesquisas com utilização de seus resultados pelo maior número de interessados promovendo o desenvolvimento científico. O OAI influenciou a criação da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações - BDTD, pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT, sendo considerada como a primeira iniciativa do Brasil na direção do OA. Partindo desse cenário, abordamos a contribuição da BDTD-UFF que integrou o Projeto piloto do IBICT, proporcionando maior divulgação das informações acadêmicas e a visibilidade da Universidade em nível nacional e internacional. Com base nessas ponderações, este trabalho tem como objetivo analisar a contribuição da BDTD - UFF na disseminação do conhecimento produzido na Universidade Federal Fluminense, abordando também o seu crescimento/desenvolvimento desde sua implantação até os dias atuais, visando identificar possíveis entraves nesse processo e apontar caminhos para sua otimização.

METODOLOGIA: A metodologia utilizada inclui revisão de literatura, levantamento quantitativo das dissertações e teses defendidas na UFF no período de dez anos (2003-2013) e dos trabalhos defendidos no mesmo período de análise que foram inseridos na BDTD da UFF. A pesquisa quantitativa se deu no site da Capes, em Cadernos Indicadores, na opção TE (Teses e Dissertação) por ano de defesa de cada Programa de Pós-graduação, analisaram-se os as Teses e Dissertações defendidas entre (2003-2012).

RESULTADO: Os 70 programas de pós-graduação totalizam aproximadamente 8.400 trabalhos defendidos entre Teses e Dissertações na UFF. O gráfico mostra que destes documentos, aproximadamente 4 mil estão inseridos na BDTD até 2013.

[Entra Tabela - Programa de Pós Graduação]

Dos cursos de Ciências Humanas e Sociais da UFF com cerca de 1.500 defesas estão registradas na BDTD, representando 46% do seu total. Notamos uma maior adesão e sensibilidade da área de Ciências Humanas e Sociais ao OAI.  Isso fica evidente também com a criação de um Portal de Periódicos das Ciência Humanas e Filosofia da UFF, que contém 5 títulos de periódicos em Acesso Aberto.

CONSIDERAÇÕES FINAIS: Acredita-se que o maior desafio seja a implementação de uma Política Mandatória de depósito institucional. A BDTD–UFF é uma base de dados de acesso livre à informação científica para a disseminação do conhecimento institucional e integra uma iniciativa da UFF para promover a democratização do conteúdo produzido em nível institucional e fomentar a visibilidade da Universidade e de seus docentes e discentes, tendo representatividade no movimento nacional do Acesso Livre.

REFERÊNCIAS:

 

CAMPELLO, Bernadete Santos. Teses e dissertações. In: CAMPELLO, Bernadete Santos; CENDÓN, Beatriz Valadares; KREMER, Jeannette Marguerite (Org.). Fontes e informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000. p. 121-128.

 

INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA.  Biblioteca digital de teses e dissertações brasileiras. 2012. Disponível em: <http://www.ibict.br/informacao-para-ciencia-tecnologia-e-inovacao%20/biblioteca-digital-Brasileira-de-teses-e-dissertacoes-bdtd>. Acesso em: 10 mar. 2013.

KURAMOTO, Hélio. BDTD: uma questão de interoperabilidade humana? 2006. Dis-ponível em: <http://www.ibict.br/sala-de-imprensa/noticias/2006/bdtd-uma-questao-de-interoperabilidade-humana/impressao>. Acesso em: 15 set. 2013.

LEY, Maria Dulce L. de M. G.; SAMPAIO, Maria da Penha; INSFRÁN, Ângela de. A estratégia da UFF para adesão dos Programas de Pós-Graduação ao Projeto BDTD. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 13., 2004, Natal. Anais eletrônicos... Natal: UFRN, 2004. Disponível em: <http://www.ndc.uff.br/textos/madu_estrategia.pdf.>. Acesso em: 12 set. 2013.

 

 

 


Para poder ver los trabajos, es necesario registrarse en la conferencia