Portal de Eventos, Conferencia Internacional BIREDIAL-ISTEC 2015

Tamaño de la fuente: 
A Presença do Digital Object Identifier nos Repositórios Brasileiros
Diego José Macêdo, Ronnie Fagundes de Brito, Milton Shintaku

Última modificación: 17/11/2015

Resumen


Introdução

A internet tem se transformado em uma grande fonte de informações para todas as áreas. Na ciência, por exemplo, cada vez é mais comum editoras digitais disponibilizarem documentos em texto integral, de forma livre ou restrita, sejam por meio de artigos, livros ou outras formas de publicações. Muitos desses documentos são, por sua vez, depositados em repositórios institucionais ou temáticos, ampliando a possibilidade de acesso, em um processo complementar como apresenta Bjork (2005) em seu modelo para comunicação científica. Entretanto, um dos problemas existentes em um ambiente dinâmico e pouco controdado se refere a identificação persistente. No intuito de solucionar esse problema para documentação científica, existe, entre outros, o Digital Object Identifier (DOI), um sistema de identificação para objetos digitais (ISO 2012) mantido por diferentes agências de registro, como CrossRef ou DataCite. O DOI constitui um sistema que permite diferentes serviços associados à aplicação de metadados registrados junto aos identificadores, tais como a manutenção de ligações no ambiente web ou a verificação de autenticidade de autoria por meio de metadados. No Brasil o uso do DOI pode ser exemplificado por meio da plataforma Lattes, em que o usuário informa o campo com o nome do identificador e o sistema preenche os demais campos do formulário com metadados disponíveis, como autores e local de publicação. Os repositórios, como locais para armazenamento da produção institucional em suas diferentes formas para promover visibilidade, mantém os DOIs atribuídos a artigos de revistas ou a outros tipos de documentos. Nesse contexto é analisada a presença do DOI nos repositórios de instituições brasileiras, como forma de descrever a utilização desse identificador nesse contexto.

Metodologia

O levantamento é feito por meio de coleta OAI-PMH e posterior extração de registros que demonstram presença de nomes DOI. Posteriormente, os nomes DOI são validados diante o sistema, verificando-se se seus metadados foram efetivamente depositado numa agência de registro. Também a qualidade destes metadados é verificada ao se averiguar o status da URL armazenada junto a eles.

Resultados

Foram coletados 288930 registros de 35 instituicoes em março de 2015. Constatou-se a utilização do DOI em 40061 registros, 14% do total, emitidos por 539 prefixos. Destes, 1672 apresentavam erros, não estando registrados, sendo 49 com nomes inválidos (malformed DOI), constando apenas o prefixo ou com caracteres inválidos em sua estrutura, como por exemplo os nomes “10.837/88; DO-167-reg. 10838/88” ou “10. 10S0I0143 li 60410001720748”.

Em relação a validade da URL, dos 40061 registros, 13333 estavam com a URL não disponível, constituindo 33% dos documentos. Deve-se considerar tambem que as URLs que estão válidas, nao necessariamente indicam o usuário terá acesso aos documento, como do caso de artigos que tem acesso restrito devido a direitos autorais ou de cópia.

Dentre os resultados destaca-se a quantidade de ocorrência que impedem o acesso, o denominado de forma ampla “link quebrado”. Em análise das causas, a maior incidência dá-se a artigos com endereço (URL) em domínios da SciELO, pode ter sido de uma revista indexada, que recebeu o DOI, por algum motivo foi descredenciada, mas não atualizou a base com a nova URL.

Em relação a data de depósito, os DOIs foram registrados conforme o gráfico da figura 1, iniciando em 2007 com 74 registros e havendo um pico em 2011 com 12441 depósitos. O ano de 2015 já apresentava 9500 depositos, sendo que provavelmente atingirá o maior valor da série histórica, muito provavelmente pelo acordo firmado entre CrossRef, Agencia Brasileira de Editores Científicos e Instituto Brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia, para facilitar a adoção desse identificador.

Em relação a informar DOI no documento, mas não ter depositado os respectivos metadados na agência de registro, os DOIs informados nos repositorios apresentam menor proporção de falhas, comparado com as revistas: dos 40.061 DOIs analisados, 4,2 % não estão registrados, em revistas, dos 1.474 DOIs atribuidos a artigos, 168 não estavam registrados.

Entretanto, no que se refere a qualidade de metadados descrevendo a URL, o cenário é inverso, visto que do total de registros em repositórios, cerca de 33% estavam com URLs que impediam o acesso, enquanto que em revistas, o índice constatado foi de 3% (Guedes, de Brito, Shintaku, 2013).

Quanto as agências de registro, a grande maioria foi registrada junto a agência CrossRef, sendo que menos de 1% dos registros foram depositados em outras agências de registro DOI, como mEDRA e Datacite.

Considerações Finais

Considera-se que ao quantificar e qualificar a presença de identificadores digitais de objetos em repositorios é possível estimar o cenário de sua utilização, identificando falhas a serem corrigidas e potenciais a serem explorados.

Constatou-se uma proporção significativa de registros de repositorios que possuem identificador digital. Nestes, ocorre um pico de atribuição em 2011 que demanda uma analise mais aprofundada para suas causas, e outro pico em 2015, que ocorre simultaneamente com a parceria da CrossRef, Associação Brasileira de Editores Científicos e Instituto Brasileiro de informação em Ciência e Tecnologia.

Já a grande quantidade de nomes DOI com URLs inacessíveis indica a necessidade de maior preocupação com políticas relacionadas a atualização de metadados associados aos identificadores destas publicações.

Referências

Björk, B. C. Scientific communication life-cycle model. 2005. Disponível em: <http://oacs.shh.fi/publications/Model35explanation2.pdf>.

Guedes, M. G., de Brito, R. F., Shintaku, M.. Análise da utilização do DOI no Brasil em periódicos de acesso aberto. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação, 2013, Florianópolis. Anais do XXV CBBD, 2013.

ISO 26324:2012 Information and documentation -- Digital object identifier system


Para poder ver los trabajos, es necesario registrarse en la conferencia